Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 12 de maio de 2011

O PERIGO DO INDIVIDUALISMO

Num mundo de influência existencialista e capitalista, o homem é cada vez mais visto como indivíduo isolado. A ênfase está na liberdade individual. “Eu me amo, não posso viver sem mim”, é o novo slogan. A maioria dos programas de televisão defende a afirmação do indivíduo contra a força do grupo. Sem dúvida, isso tem seu aspecto positivo; mas temos visto também um fator de desagregação da sociedade. O individualismo cria a ilusão de independência, gerando egoísmo e insensibilidade. O sujeito perde a visão de interdependência social e crê-se inatingível. A estrutura econômica de consumo fortalece o indivíduo por meio dos produtos personalizados. Faz propagandas que trabalham o imaginário da “diferença” que o consumidor-alvo terá em relação aos demais se utilizar aquele determinado produto. O que é mais interessante é que, no desejo de ser diferente e particularizado, o indivíduo abraça uma determinada moda e torna-se um “igual”, vítima da massificação.
A grande preocupação é que o individualismo já chegou às igrejas. Suas marcas como inimizade na família, separações conjugais, divórcios, etc, já estão presentes nos arraiais evangélicos. Além disso, em muitos casos, os próprios cristãos tem tratado a igreja como um lugar de satisfação individual; se não agrada, batemos na próxima porta, onde a satisfação pessoal está garantida. A igreja oferece seus produtos: pregação, visitação, coral, comunhão, etc. O indivíduo analisa, vê qual oferece mais “vantagem” e escolhe. Em alguns casos temos cristãos que frequentam duas ou mais igrejas, pois gostam da mensagem e da escola dominical de uma, mas preferem o louvor e a oração da outra. O grande perigo que se vê nesse tipo de movimento é o enfraquecimento da mentalidade de servo, daquele que faz parte do corpo. Muitos não entendem mais a igreja como um organismo que tem autoridade sobre minha vida, diante da qual tenho responsabilidades e devo submissão. A realidade, porém, é que a insatisfação é filha do individualismo egocêntrico. Por isso, muitos são os cristãos que “não dão certo” em lugar nenhum. São insubmissos, utilitaristas, independentes, buscam seus interesses e não se importam com o grupo é como uma criança crescida que não suporta, em hipótese alguma, viver sem os mimos e badalações com os quais foi acostumada. A tristeza maior vem do fato de que muitas “igrejas” e “comunidades” estão sendo formadas hoje para “satisfazer” esse “público”. Muitos grupos religiosos denominados evangélicos acabam investindo nesse “mercado” de almas, procurando captação de recursos ou qualquer outra coisa, sem se preocupar-se com a doutrina eclesiológica do Novo Testamento. É lamentável.
Graças a Deus, porém, pelos muitos cristãos e igrejas que resistem à tendência atual.

Pr. Izidro Milton
Faculdade Teológica da Assembléia de Deus de Brasília

3 comentários:

  1. Graças à Deus existe ainda um pastor autêntico, identificado com a vocação de tornar as pessoas verdadeiramente cristãs! Deve se sentir completamente solitário, nadando contra a vultuosa corrente evangélica mercadológica! É repugnante o uso do nome de Cristo com vistas ao enriquecimento pessoal ou de grupos articulados! E o pior: passam a mesma ideologia individualista, interesseira, indiferente e alienada do próximo aos seus seguidores (que na verdade afluem a elas pelo mesmo perfil de interesse ).Desejo que este texto profundamente honesto e inteligente possa ser divuldado em panfletos nas ruas, para todos tomarem conhecimento, já que não vai encontrar espaço na mídia televisiva dominada pelo poder financeiro dos "falsos profetas".Você, pastor Izidro, é um exemplo que dignifica a igreja cristã, que mesmo sendo verdadeira, está sob o risco, com esses modelos espúrios de templos e pastores mercenários, de ser desacreditada de forma generalizada pelo desencanto dos humanistas genuinamente religiosos, honestos e pensantes.Marisete

    ResponderExcluir
  2. Graças à Deus existe ainda um pastor autêntico, identificado com a vocação de tornar as pessoas verdadeiramente cristãs! Deve se sentir completamente solitário, nadando contra a vultuosa corrente evangélica mercadológica! É repugnante o uso do nome de Cristo com vistas ao enriquecimento pessoal ou de grupos articulados! E o pior: passam a mesma ideologia individualista, interesseira, indiferente e alienada do próximo aos seus seguidores (que na verdade afluem a elas pelo mesmo perfil de interesse ).Desejo que este texto profundamente honesto e inteligente possa ser divuldado em panfletos nas ruas, para todos tomarem conhecimento, já que não vai encontrar espaço na mídia televisiva dominada pelo poder financeiro dos "falsos profetas".Você, pastor Izidro, é um exemplo que dignifica a igreja cristã, que mesmo sendo verdadeira, está sob o risco, com esses modelos espúrios de templos e pastores mercenários, de ser desacreditada de forma generalizada pelo desencanto dos humanistas genuinamente religiosos, honestos e pensantes.Marisete

    ResponderExcluir
  3. Todos os seres humanos sabem q são pecadores contra Deus.
    Eles sabem também, q como pecadores, estão em perigo e ñ estão seguros.
    Daí então, procuram algum refúgio que lhes dê segurança.
    Eles sabem que podem encontrar PAZ e REFÚGIO em Deus, abandonando os seus pecados e voltando-se para o SENHOR, mas eles ñ escolhem abandonar os pecados. Então, parece q não há outro recurso aos pecadores senão esconder-se sob algum falso refúgio. No entanto, é óbvio q os homens q recorrem a mentiras como refúgio, ñ conseguem ver essas mentiras como mentiras, mas eles enxergam estas mentiras como verdades. ( se apegam em ateismo e religiões falsas )

    Este fato nos leva a perguntarl:
    Será q alguma regra ou padrão irá mostrar o q é verdade e o q é mentira? Os homens têm opiniões incontáveis sobre crenças; mas estas ñ podem ser todas verdadeiras.
    Como podemos determinar o q é verdadeiro e o q é mentira?

    Temos um teste infalível:

    Salvação válida, deve ser a salvação do pecado.
    Tudo o+ falha. Tudo q ñ quebra o poder do pecado, é UMA MENTIRA.
    Se ñ expulsar o egoísmo e a luxúria, e se ñ gerar o amor a Deus e a todo ser humano, se ñ gerar alegria verdadeira, paz profunda como o oceano, benevolência desinteressada o fruto do Espírito Santo, é tudo falso e inútil.
    Tudo o que falha neste aspecto vital é UMA MENTIRA - pode ser até útil - mas no fim ñ é melhor que UMA MALDIÇÃO.

    Se ñ gera em nós o espírito do céu e nos faz semelhantes a Deus, não importa de onde vem, ou q idéia defende. é SÓ MAIS UMA MENTIRA, e se você se esconde atrás disso, voce está num "refúgio da mentira", és um inimigo de Deus.

    Outra vez: Se ñ gerar oração, nos unir a Deus em comunhão e afinidade com Ele, é uma mentira. Se não gerar em nós um sentimento celestial, expulsando a mente mundana, separando-nos do amor às coisas do mundo, é uma mentira. Se este ensino ñ produzir em nós o amor exigido nas Escrituras, o amor à Deus e prazer em adorá-lo, e amor à toda a humanidade - , é uma mentira; - se ñ produzir todos os estados mentais que enquadram a alma para morar no céu perfeito e santo, falha completamente em salvar alguém do pecado e do PERDIÇÃO.

    Alguém pode contestar: "o Evangelho não realiza de fato o q diz, a todos q a ele aderem. Não faz cristãos devotos, mortos para o mundo, cheios de amor, alegria e paz."

    Eu Respondo:
    Suponha um remédio eficaz à um doença. Ele pode curar, pois tem o poder para operar a cura.
    Mas deve ser usado corretamente. Se você estiver doente e não gostar de tomar o remédio, você vai guardá-lo, e arranjar uma falsificação do mesmo para usar. Em últimos casos, usaria o remédio, mas misturado com outras coisas q tiram o efeito. Em todos os casos, a eficácia do medicamento não pode ser contestada, só prova q você não o usou de forma justa e honesta.

    Assim, é com o evangelho. Você deve assumi-lo e usá-lo de acordo com as orientações Bíblicas, e às influências do Espírito Santo, do contrário o fracasso não é culpa do Evangelho, mas é culpa sua. Não adianta, então, dizer que o evangelho ñ salva os homens do pecado. Na verdade, há ilusões e há rejeições diretas; Mas aquele que recebe o poder real do Evangelho de Cristo em seu coração vai certamente descobrir que sua alma foi profundamente abençoada e transformada por ele. O evangelho leva o ser humano do pecado à santidade - faz o homem pacífico, santo, divino, tanto na vida como na morte.
    Milhões de tais casos comprovam isto na face da história. Suas vidas santas evidenciam a realidade e a preciosidade da salvação q o evangelho promete.

    ResponderExcluir

Desabilitei o Google+. Adicione aqui seu comentário.