Pesquisar este blog

sábado, 20 de novembro de 2010

ARREBATAMENTO OU RAPTO DA IGREJA

Adaylton de Almeida Conceição.

Conforme nos referimos no ponto anterior, a vinda de Jesus será precedida de apostasia (2 Tes. 2.3). A apostasia é o abandono da fé e da doutrina, como vemos em 2 Timóteo 2.17,18. Esta apostasia só pode ocorrer na igreja. O mundo não tem de que apostatar, por si mesmo já é apostata.
Enquanto o arrebatamento é uma doutrina do Novo Testamento que jamais se menciona no Velho Testamento (porque a Igreja como tal era um mistério não revelado no A. T.), a Segunda vinda está firmemente assentada no Antigo Testamento. Não devemos confundir o “arrebatamento” com a “Segunda vinda de Cristo”. São dois eventos separados por um período de tempo.
Provavelmente uma das primeiras profecias sobre a Segunda vinda de Cristo está em Deuteronômio 30.1-3. Nesta profecia sobre a reunião de Israel novamente em sua terra, se prega que Israel se converterá ao senhor espiritualmente e que então o Senhor o faria voltar do seu cativeiro.
Os Salmos ainda que constituem o livro de adoração do Antigo Testamento, freqüentemente se referem à Segunda vinda de Cristo (veja Sal. 1 e 2)
A trilogia formada pelos Salmos 22,23 e 24 apresenta a Cristo como o Bom Pastor que daria sua vida pelas suas ovelhas (Jo. 10.11). O Salmo 24 descreve a situação milenial. “do Senhor é a terra” (v.1).
Na revelação do Novo Testamento sobre a Segunda vinda de Cristo, se introduz um novo fator com a revelação do “arrebatamento“ da Igreja. No antigo Testamento as predições da primeira e Segunda vinda de Cristo se misturam com freqüência, como se os profetas tivessem dificuldade para distingui-las.
Creio que a dificuldade que há hoje em dia em separar o arrebatamento da Segunda vinda de Cristo depois da Grande Tribulação, é que no Novo Testamento, devido a terminologia similar para definir a vinda de Cristo “pelos seus” e a vinda de Cristo “com os seus”, nem sempre é tão claro qual o acontecimento que se tem em vista; e em cada caso se deve chegar a uma decisão sobre a base do contexto.

O ARREBATAMENTO OU RAPTO DA IGREJA.
A vinda de Cristo está relacionada com três grupos de povos em que Deus mesmo divide a raça humana:

JUDEUS – GENTIOS e IGREJA DE DEUS. ( I Coríntios 10.32).
É muito importante que compreendamos esta divisão da raça humana, pois isto é um ponto de grande importância no que diz respeito à relação entre Cristo e a Igreja.

l. Para os JUDEUS (Israel), Jesus verá como seu Messias e Libertador, depois de prová-los e expurgá-los mediante a Grande Tribulação (Rom. 11.26. Mat. 23.37,39).
2. Para os GENTIOS ( as nações em geral) Jesus virá como Rei dos reis e Senhor dos senhores, para julgá-los e depois reinar sobre eles com vara de ferro, isso é, com justiça e paz (Mat. 25.31-46. Sal 2; 96.13; ap. 19.11-16).
3. Para a IGREJA. Ainda que Cristo estabelecesse sua Igreja sobre a terra, sabemos que ela não permanecerá aqui para sempre, pois Jesus Cristo, seu fundador e dono, prometeu que a levaria para Si. Assim que, para a Igreja, Jesus virá como noivo, a fim de levá-la para Si (Jo. 14.1-3,18; Mat.25.1-13).
É importante recordar que não estamos afirmando que Jesus virá três vezes, mas que sua vinda se relaciona com três grupos de povos ( I Cor. 10.32).

PRIMEIRO Ele virá para os Seus, para depois vir com os Seus. A primeira fase é o arrebatamento ou rapto da igreja.
A Segunda fase é a volta de Jesus em glória, sua revelação pública, sua manifestação e aparecimento visível aos judeus e às nações em geral. Do arrebatamento até Sua revelação plena, ou seja, sua Segunda vinda, haverá um período de sete anos. Muitos fatos estupendos acontecerão durante esse período, ou semana de anos.
Ainda sobre esse período de tempo, podemos ver num estudo de Daniel 9.27 comparando com Apocalipses 11.3, as “testemunhas” profetizam por três anos e meio, surgindo imediatamente a Besta para matá-los (Ap. 11.7). Essa besta que surge em Apocalipses 11.7 atuará durante três anos e meio, isto é, quarenta e dois meses (Ap. 13.5), o que dará um total de sete anos.

O ARREBATAMENTO
Jesus vem secretamente para a Igreja. Enquanto que na revelação final Ele virá para Israel e as nações em geral. Passemos a ver alguns acontecimentos que terão lugar entre as duas fases da vinda de Jesus.
1. NO CEU. Haverá o sinal dos toques de trombetas para a reunião geral dos fiéis ( I Cor. 15.51,52). Antes, Jesus dará ordem com “voz de arcanjo” (I Tes. 4.16). No último toque, os mortos em Cristo ressuscitarão e os vivos serão transformados. Irão todos juntos ao encontro do Senhor nos ares ( I Cor. 15.52; I Tes. 4.17). Nesta fase de sua vinda, Jesus não vem à terra. O mundo não tomará conhecimento disto a não ser depois, quando notar a ausência dos cristãos. É um acontecimento secreto, reservado apenas para os que são Dele. Compare João 12.28 e Atos 22.9, quando muitos atos aconteceram da parte de Deus e o mundo não participou.
2. NOS ARES. Jesus vem nas nuvens. É mais uma “saída” do Senhor, porém desta vez não será para nascer numa manjedoura, mas para levar aqueles que creram em sua Palavra.
3. NA TERRA. Primeiro a ressurreição dos fiéis, depois a transformação dos vivos ( cristãos) . Tudo isso será num instante, tão rápido que escapará à visão humana (I Cor. 15.52). Será tão rápido que não haverá tempo para preparação de última hora.

A SEGUNDA VINDA DE CRISTO É PÓS TRIBULACIONAL.
Aqueles que espiritualizam as profecias sobre os reinos futuros sobre a terra, têm uma tendência de misturar as profecias sobre o arrebatamento e as profecias sobre a Segunda vinda de Cristo e considerá-las como um só evento, o que os leva a considerar o arrebatamento como um acontecimento pós-tribulacional. Mas notamos que:
a- O arrebatamento ocorrerá quando o Senhor vier para os Seus santos (Jo. 14:2,3); na Sua vinda, Cristo virá com os Seus santos, os quais foram levados para a glória no arrebatamento (Judas 14; Zac. 14:5).
b- O arrebatamento pode acontecer a qualquer momento, enquanto que a vinda de Cristo não acontecerá até cerca de 7 anos depois do arrebatamento. No arrebatamento o Senhor virá secretamente, em um piscar de olhos (I Co. 15:52); na Sua vinda Ele virá publicamente e todo olho O verá (Ap. 1:7).
c- No arrebatamento Ele virá para livrar a igreja (I Tess. 1:10); na Sua vinda Ele virá para livrar Israel (Sl. 6:1-4).
d- No arrebatamento Ele virá encontrar a Sua igreja nos ares, pois se trata do Seu povo celestial (I Tess. 4:15-18); na Sua vinda Ele voltará para a terra (o Monte das Oliveiras), para Israel, pois é o Seu povo terrenal (Zac. 14:4,5).
e- No arrebatamento, é o próprio Senhor Quem reunirá os Seus santos (I Tess. 4:15-18; II Tess. 2:1); na Sua vinda os ímpios serão tirados do mundo, pelos anjos, para julgamento e os que crêem (aqueles que se converteram por meio do evangelho do Reino, que será pregado durante a tribulação) serão deixados para desfrutar de bênçãos sobre a terra (Mt. 13:41-43; 25:41).
f- No arrebatamento Ele virá para livrar Seus santos (a igreja) da ira vindoura (I Tess. 1:10); na Sua vinda Ele virá para derramar a ira (Ap. 19:15).
g- No arrebatamento Ele virá como Noivo, para receber Sua noiva, a igreja (Mt. 25:6-10); na Sua vinda Ele virá como o Filho do Homem em juízo sobre os que O rejeitaram (Mt. 24:27,28).
h- No arrebatamento Ele virá como a "Estrela da Manhã" que aparece logo antes do dia raiar (Ap. 22:16); na Sua vinda Ele virá como o "Sol de Justiça", que é o próprio amanhecer (Mal. 4:2).

Ainda podemos observar que:
As descrições da Segunda vinda de Cristo em todas as passagens ensinam que sua vinda é PESSOAL. Isso quer dizer que Cristo vem pessoalmente à terra. As mesmas passagens ensinam que a Segunda vinda é CORPORAL. Ainda que a deidade de Cristo é onipresente e pode está no céu e na terra ao mesmo tempo, o corpo de Cristo é sempre local e agora está à destra de Deus Pai. Sua vinda à terra, será corporalmente, assim como subiu corporalmente. Isso é apoiado por Zac. 14.4 e At. 1.11. O contraste entre o arrebatamento e a Segunda vinda de Cristo é que não há evidencia de que no arrebatamento o mundo verá a gloria de Cristo, e a Segunda vinda será visível e gloriosa (Mat. 1.11).

Prof. Pr. Adaylton de Almeida Conceição (Th.B.Th.M.Th.D)