Pesquisar este blog

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

DEVOCIONAL- 7 de Dezembro DE 2016

Não vereis vento, e não vereis chuva, todavia este vale se encherá de tanta água, que bebereis vós, e o vosso gado, e os vossos animais. E ainda isto É pouco aos olhos do Senhor; também entregará ele os moabitas nas vossas mãos. (2 Rs 3.17,18.)

Para a mente humana isto era simplesmente impossível, mas nada é difícil demais para Deus.

Sem nenhum som ou sinal, de fontes invisíveis e aparentemente impossíveis, as águas vieram brotando durante toda a noite; e quando a manhã raiou, aquelas covas estavam cheias de águas cristalinas, que refletiam o vermelho do sol surgindo atrás dos montes de Edom.

Nossa incredulidade está sempre querendo algum sinal externo. A religião de muitos baseia-se grandemente nos sentidos, e eles não se satisfazem se não virem manifestações, etc; mas o maior triunfo da fé é aquietar-se e saber que Ele é Deus.

A grande vitória da fé é ficar diante de um mar Vermelho e ouvir o Mestre dizer: "Estai quietos, e vede o livramento do Senhor"; e, "Marchai!" É quando avançamos — sem nenhum sinal ou som, sem nenhum movimento de ondas — e, embora molhando os pés no primeiro passo, prosseguimos em frente, é então que vemos dividir-se o mar e abrir-se um caminho através das próprias águas.

Se já vimos as maravilhosas operações de Deus em algum caso extraordinário de cura ou livramento, estou certo de que o que nos impressionou mais foi a quietude em que tudo foi realizado, a ausência do espetacular e do sensacional e o sentimento da nossa inteira nulidade na presença deste Deus poderoso, e vemos como foi simples para Ele a realização daquilo — sem o menor esforço da Sua parte e sem o menor auxílio da nossa.

Não compete à fé questionar, mas obedecer. As covas foram feitas, e a água veio-se derramando de uma fonte sobrenatural. Que lição para a nossa fé!

Você está ansioso por alguma bênção espiritual? Abra as valas, e Deus as encherá. Nos lugares mais inesperados e das maneiras mais inesperadas.

Como é necessária a fé que age por fé e não pelo que vê, e que espera a operação de Deus embora não haja vento nem chuva. —A. B. Simpson