Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

OS SETE PRIMEIROS DIAS DA HISTÓRIA

Pr. Adaylton de Almeida Conceição

Segundo a Geologia, a vida precedeu à luz, desenvolvendo-se nas profundezas dos mares. “E o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.” A geologia também diz que primeiro houve uma luz química, não uma luz solar. “ Disse Deus. Seja a luz, e foi a luz”. Deus disse isso no primeiro dia, e o sol só apareceu no quarto dia. Assim a ciência confirma a Palavra de Deus.

O PRIMEIRO DIA – Gen. 1.3
O SEGUNDO DIA – Gen. 1.6
O TERCEIRO DIA – Gen. 1.11
O QUARTO DIA – Gen. 1.14
O QUINTO DIA - Gen. l.20
O SEXTO DIA – Gen. 1.24-27.

1- PRIMEIRO DIA (Gênesis 1.3)
“E disse Deus. Haja luz. E houve luz”.
A luz é criação de Deus, totalmente oposta às trevas.

2- SEGUNDO DIA (Gênesis 1.6)
“E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas”. Aqui, a palavra hebraica “rakia”, significa simplesmente “expansão” ou “espaço”. Assim se refere a esse espaço ou expansão que separa as nuvens que estão nas regiões mais altas dos mares e tudo o que está embaixo. A isto o chamamos “atmosfera”.

3- TERCEIRO DIA (Gênesis 11)
“E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nela sobre a terra. E assim foi”.
Aqui neste versículo, podemos considerar a origem da vida em sua forma mais baixa.
São especificadas três classes de vida vegetal:
a. A erva,
b. A erva que dá semente.
c. A árvore que dá fruto.

A primeira é um organismo mais simples; a segunda já é mais complexa, tendo um ramo, e se propaga através de suas sementes; a terceira é mais complexa, pois tem ramos de madeira, e por isso pode elevar-se do chão, e dar fruto que contém a semente para sua propagação.

4- QUARTO DIA (Gênesis 1.14)
“E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos”.
Notamos que no primeiro versículo de Gênesis, temos uma declaração que estabelece a criação dos céus e terra. Portanto, aqui não se refere a criação dos corpos celestes, porque não se emprega a palavra “criar”, mas indica seus ofícios de utilidades para a terra.

5- QUINTO DIA (Gênesis 1.20)
“E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a faze da expansão dos céus”.
Sabemos que a maioria das vidas está nos mares e rios. A fecundidade dos peixes é algo grandioso que o homem não pode nem imaginar. É o fiel cumprimento da Palavra de Deus.

6- SEXTO DIA (Gênesis 1.24-27)
“E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie, e répteis, e bestas feras da terra conforme a sua espécie. E assim foi...”.

A CRIAÇÃO DO HOMEM.
Gênesis 1.26: “E disse Deus: façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra”.
No sexto dia da criação, depois de concluir sua ação criadora, Deus sentiu a necessidade de algo mais pessoal, algo inteligente e que pudesse ter comunicação direta com Ele.
Numa época completamente remota, num passado desconhecido, a Divindade propôs a criação de um ser que pudesse desfrutar de comunhão com Deus e, para ser seu representante aqui na terra. Esse ser foi o HOMEM. Foi criado à IMAGEM e SEMELHANÇA de Deus.
IMAGEM, do hebraico “tselem”, significa a expressão da realidade. O homem possui uma natureza trina, pois é constituído de Espírito, Alma e Corpo. “E o mesmo Deus de Paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (I Tessalonicenses 5.23). Possui uma natureza espiritual que o coloca em contacto com Deus “Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus” ( I coríntios 2.11).
A imagem é a substância espiritual e inseparável da alma e não pode ser separada do homem vivente.
A Palavra “SEMELHANCA”, corresponde ao caráter moral, que pode separar-se da substancia ou essência e que foi perdida na queda do homem através do pecado original. Ele continuou tendo a alma, mas sem o caráter moral divino (I João 3.2; Salmo 17.15).

IMAGEM e SEMELHANCA, não são termos para compreender-se materialmente, mas espiritualmente.
O sacrifício de Cristo na cruz foi para restaurar a semelhança através do novo nascimento (regeneração). “Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus”, (João 3.3). “Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também em si todas as coisas”. (Filipenses 3.20,21)
O homem foi criado para ser perfeito, puro e maravilhoso. “Vede, isto tão somente achei: que Deus fez ao homem reto, mas ele buscou muitas invenções.” (Eclesiastes 29)
Deus deu ao homem todo poder sobre as coisas criadas (céu, terra e mar). Através da ciência, a tecnologia, podemos ver o poder dominante do homem. O homem com esse poder e sabedoria, deu nome a todos os seres viventes da terra. Era um conhecimento intuitivo. O homem era perfeito em todos os aspectos: físico, moral e espiritual.
Para todas as coisas criadas, foi empregado uma simples palavra, porém quando chegou a hora de criar o homem, Deus mudou seu método de povoar o universo. Ele colocou Suas próprias mãos em ação, para imprimir um contacto pessoal no novo ser que estava criando. Assim que o homem leva em si, a marca de Deus, a impressão digital de Deus.
Deus coroou a sua obra criadora, com a criação do HOMEM. Assim que o homem foi como a coroa da criação de Deus.