Pesquisar este blog

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Filipe em Samaria (Atos 8:4-8)

A história de Lucas é feita de retalhos de acontecimentos, e vai-se desenvolvendo sempre em referência a um punhado de pessoas, isto é, o que disseram e o que fizeram. Sendo agora seu assunto a história da expansão inicial da igreja, Lucas se volta para um exemplo típico de obreiro, Filipe. Este era um dos sete, tendo sido, sem dúvida, influenciado por Estevão. Filipe fez que a igreja caminhasse dois passos importantes para a frente. Primeiramente, ele pregou aos samaritanos. O. Cullmann atribui grande importância a este episódio, achando que ele "marca o começo real da missão cristã a uma comunidade não-judaica (pp. 185-94; mas cp. Lucas 9:52ss.; 10:30ss.; 17:16; João 4:5-42). O segundo passo foi que Filipe batizou um gentio. Por causa da natureza do caso, este teve pequeno impacto sobre a igreja, mas serviu para ilustrar o tema de Lucas, visto que mediante o etíope o evangelho chegou "até os confins da terra" (1:8; cp. Irineu, Against Heresies [Contra as Heresias] 3.12.8; 4.22.2). Segundo a geografia antiga, a Etiópia era considerada a fronteira mais longínqua ao sul no mundo habitado. Tem-se levantado a sugestão, de vez em quando, de que a história do eunuco etíope teria sido forjada com base em certas passagens vetero-testamentárias, ou pelo menos teria sido modificada à luz dessas passagens. Os críticos apontam para Sofonias, em particular, que na LXX menciona "Gaza" e "Asdode ao meio-dia" (LXX traz "Azoto") ou "do sul", profetas trazidos pelo Espírito, e a acolhida a homens vindos do sul (Sofonias 2:4,11s; 3:4, 10; cp. também Salmo 68:31). E de fato parece muito provável que a linguagem de Lucas teria sido colorida pela linguagem de Sofonias. Todavia, isso é o máximo que podemos adiantar. Também é bastante plausível que as coincidências da história trouxessem a profecia à mente de Lucas, e que a profecia lhe tenha dado os detalhes. É possível que Filipe tenha sido o informante de Lucas em ambas as histórias do capítulo 8, embora no caso da missão entre os samaritanos, outros houve, como Paulo, que poderiam ter-lhe fornecido todos os pormenores (cp. 15:3).

8:4 / Este versículo apanha a referência feita no versículo 1 aos crentes que estão deixando a cidade. Por onde quer que fossem, iam pregando a mensagem. Esta declaração incorpora duas palavras que caracterizam o estilo de Lucas: "anunciando a palavra", a qual encontramos apenas uma vez nos demais evangelhos, mas dez vezes em Lucas, e quinze em Atos; é uma expressão verdadeiramente missionária — "ir através" (iam por toda a parte), que Lucas emprega com muita freqüência (embora não seja expressão exclusiva dele) para descrever viagens missionárias. Graças à vantagem de poder olhar para trás, para o passado, Lucas viu que a dispersão dos crentes constituiu uma série de viagens missionárias, embora, evidentemente, na ocasião não fossem assim consideradas.

8:5-8 / A declaração genérica do versículo 8 é seguida imediatamente de um exemplo particular: Descendo Filipe à cidade de Samaria v. 5. Os melhores manuscritos têm exatamente essa redação, mas ainda que aceitemos o artigo definido "a", persiste alguma incerteza quanto a que cidade Lucas tem em vista. Sebaste era "a principal cidade" da área, mas predominantemente gentílica (cp. Cesaréia, 10:1), não sendo o centro religioso nem étnico dos samaritanos. Sicar é outra possibilidade (cp. João 4:5ss.), e Gita (de localização bastante discutida, como terra natal tradicional de Simão, o Mago) tem sido também sugerida. O ministério de Filipe é descrito muito brevemente. Primeiro, ele se centraliza na proclamação de Jesus como o Cristo (v. 5). Ficamos imaginando se esta pregação se fazia em termos do profeta parecido com Moisés, visto que era nesses termos que os samaritanos concebiam seu próprio Messias, o Taheb (veja a disc. sobre 3:22 e 7:37). Em todo o caso, a situação deveria ter sido semelhante àquela descrita em João 4:25ss., em que Filipe dá um nome àquele que o povo está esperando. Em segundo lugar, o ministério de Filipe foi marcado por exorcismos e curas. Neste aspecto, seu ministério seguiu o padrão apostólico (cp. 3:1 ss.; 5:16; também 6:8) e, na verdade, o padrão do ministério do próprio Senhor Jesus. Lucas, com mais freqüência do que os demais evangelistas, estabelece uma distinção clara entre doenças comuns e a possessão demoníaca (veja a nota sobre 5:16), conforme o exemplo dado nesta passagem. Das várias curas que Lucas anota, as de coxos e paralíticos aparecem com maior freqüência neste livro, sem dúvida alguma porque constituíam sinais de que a esperança messiânica estava sendo cumprida (cp. Isaías 35:3, 6). Em terceiro lugar, o ministério de Filipe redundava em alegria (veja a disc. sobre 3:8)
“Esta é a tua interpretação!” Você já ouviu alguém dizer isso quando discorda de você? Os advogados são mestres em sugerir que alguma coisa poderia ser interpretada de uma maneira muito diferente daquela do significado original. Temos até mesmo juízes da Suprema Corte dos EUA que se referem a uma “constituição viva”. Se você está nos “anos do ocaso” e não se parece nada com quando tinha 18 anos, compreende perfeitamente este conceito “constituição viva”, de mudar o significado original. Para algumas pessoas, “interpretar” a Bíblia é uma desculpa para ignorar o que Deus disse claramente. Ao mesmo tempo, há vários textos na Bíblia que parecem estar em claro conflito com outros textos. Existem passagens que são difíceis de entender. O que cristãos honestos e humildes fazem nessas situações? Vamos mergulhar na Bíblia e ver o que ela sugere que deveríamos fazer!

I. A Lógica da Hermenêutica
A. Você já achou algo belo dentro de algo feio? Poderia dar alguns exemplos? (Pedras polidas. Metal limpo. Tesouro encontrado no fundo do mar.)
B. A expressão grega “hermeneuein”, de onde conseguimos a palavra “hermenêutica” significa “interpretar”. Hermenêutica, ou interpretação, é a forma de limpar ou afastar as barreiras ao entendimento.
1. Vamos olhar esta questão de forma lógica. Se você tivesse algo que soubesse que era precioso, mas que tivesse sido coberto com algo feio, o que seria necessário que você fizesse para ver a beleza? Liste o que você acha que é necessário:
a. Você teria que desejar ver a beleza interior?
b. Você teria que chamar um especialista para retirar de forma apropriada o exterior feio?
c. Seria necessário um trabalho duro de tua parte?
d. Seria necessário um trabalho cuidadoso, para que a beleza original não seja danificada?
2. Esta é uma comparação justa com aquilo que é necessário para que possamos afastar as barreiras ao entendimento correto da Bíblia? Vamos olhar alguns exemplos.

II. A Lição do Eunuco
A. Vamos ler Atos 8:30-31. O que este homem na carruagem queria? (Ele queria compreender o que o profeta Isaías estava dizendo.)
1. Que passos este homem tomou para compreender as palavras de Isaías? (Primeiro ele tinha o desejo de saber. Segundo, estava lendo as palavras, para que tivesse uma chance de compreendê-las. Terceiro, pediu a alguém que ele achava que era um especialista para ajudá-lo.)
B. Nós pegamos esta história no meio, então vamos voltar para o princípio. Leia Atos 8:26-29. Como Filipe se aproximou do eunuco etíope exatamente quando o homem desejava a ajuda de um especialista? (O Espírito Santo guiou Felipe ao lugar exato.)
1. Que lições este texto nos ensina acerca do entendimento das Bíblia? (A Espírito Santo é uma parte essencial da interpretação. O Espírito Santo opera através de outros seres humanos para nos ajudar a compreender.)
C. Leia Atos 8:32-33. Se você fosse o eunuco, e estivesse lendo isto pela primeira vez, conseguiria entender?
1. Simplesmente olhando o texto, o que você acharia que ele significava? (Este texto soa como um assassinato a sangue frio.)
D. Leia Atos 8:34-35. O que Felipe forneceu ao eunuco? Não diga simplesmente “a resposta”. Pense sobre isso: o que Felipe forneceu que afastou a incerteza deste trecho das Escrituras? (Felipe forneceu duas coisas: Primeiro, o contexto dos fatos. Segundo, seu conhecimento especializado acerca da situação. Os fatos da vida de Jesus, explicados de forma inteligente por Felipe, descobriram o significado desta profecia dada por Deus a Isaías.)
1. Que lição adicional aprendemos acerca da interpretação da Bíblia? (O contexto é importante para um entendimento correto da Bíblia.)
2. Nossas lições freqüentemente são sobre um assunto, em vez de ser sobre um livro da Bíblia. Qual é o problema com esta abordagem temática da Bíblia? (Ela não se aprofunda no contexto. Você deveria sempre olhar o contexto quando alguém tem uma abordagem do tipo “texto de prova”. Eu tento trazer o contexto, mesmo quando estamos estudando um assunto.)

III. A Lição do Lençol
A. Leia Atos 10:9-10. Pedro está para receber uma mensagem de Deus. O que você vê nesta história que você acha que ajudará Pedro a compreender a mensagem? (Pedro ora. Como em nossa última história, pedia ajuda ao Espírito Santo é crítico para compreender a Bíblia.)
B. Leia Atos 10:11-14. Lembre-se de que Pedro estava com fome. Quem Pedro pensa que está fornecendo a comida? (Deus! Ele diz “De modo nenhum, Senhor!”)
1. Quando Deus te ordena fazer alguma coisa, que desculpa você dá para dizer “De modo nenhum”? (Se você revisar Levítico 11:2-31 ou Deuteronômio 14:3-20, descobrirá que a Bíblia diz de forma inequívoca para não comer o que estava no lençol.)
a. Qual é o problema de Pedro? (Ele tem um conflito entre as palavras de Deus. A mensagem de Deus no passado está em conflito direto com a mensagem de Deus agora.)
b. Pedro está usando princípios de interpretação bíblica? (Até agora não. Ele está apenas negando a nova revelação, como sendo inconsistente com a antiga.)
C. Leia Atos 10:15-17. Por que você acha que isto foi repetido três vezes? (Para que Pedro não “interpretasse” isto e ficasse meio confuso sobre o que foi dito na mensagem mais recente de Deus.)
1. Por que Atos 10:17 diz que Pedro estava “refletindo no significado da visão”? O significado não é óbvio? Ele estava com fome e o Senhor lhe disse para comer um réptil. O que há de tão complicado nisso? (Não há nada de complicado nisso. Não é apetitoso, mas não é complicado.)
2. Alguém já chegou para você e disse: “Este verso na Bíblia é claro. Por que você não o segue”?
a. Pedro começou a jornada da interpretação Bíblica? (Sim. Pedro está refletindo – contemplando – porque ele tinha duas mensagens de Deus que estavam em conflito direto uma com a outra. Em tais casos, é necessário olhar mais profundamente, e ele estava começando a olhar.)
b. Na lei americana temos um princípio de interpretação que diz que em casos de conflito direto a lei que vale é a lei mais recente. Isto também é verdade com relação à Bíblia? A mensagem “coma o réptil” era a mais recente. (Pedro não acha que este é um princípio de interpretação muito confiável. Se achasse, ele não estaria refletindo.)
D. Leia Atos 10:18-20. Por que o Espírito Santo teve que dizer a Pedro para não hesitar em ir com estes homens? Será que eles pareciam homens rudes ou perigosos, que poderiam roubá-lo?
E. Leia Atos 10:27-29. Pedro compreendeu a visão do lençol com os animais impuros? (Sim.)
1. A visão deve ser tomada pelo seu significado aparente? Ou ela é figurativa? (Pedro tinha um claro conflito entre as mensagens de Deus. Quando os homens de Cornélio chegaram, Pedro compreendeu que Deus não estava falando sobre comer animais, mas sobre associar-se com os gentios.)
a. Como Pedro compreendeu isso? (Duas coisas. Primeiro, o contexto. O homem que chegou à sua casa ajudou-o a compreender. Segundo, o Espírito Santo (Atos 10:19-20) o ajudou a compreender.)
F. Que novas lições sobre interpretação da Bíblia encontramos aqui? (Algumas declarações bíblicas que parecem ser claras acabam sendo um problema quando as comparamos com outras mensagens de Deus. Nestes casos, precisamos cavar mais fundo. Algumas declarações de Deus são figurativas, e não literais.)
G. Quantas vezes você está cavando mais fundo porque a mensagem da Bíblia não está em conflito com outra parte da Bíblia, mas sim com está em conflito com as tuas preferências pessoais? Ou está em conflito com a nossa predisposição para pecar? (Deveríamos cavar bem fundo na Bíblia para embasar todas as nossas crenças. Porém, ouço pessoas contradizerem a Bíblia ou darem desculpas para o pecado dizendo: “Eu nasci assim”. “Meus pais sempre fizeram assim”. Sem dúvida que todos os que estão lendo este comentário nasceram, ou desenvolveram ao longo da vida, algumas inclinações pecaminosas sérias e fortes. Sei que isto aconteceu comigo. O verdadeiro cristão resiste ao pecado e não celebra ou dá desculpas para o pecado.)
H. Amigo, quando você encontra textos bíblicos que não entende, ou textos bíblicos que parecem estar em conflito, você cava mais fundo na Bíblia? Você vai decidir se livrar daquilo que encobre a verdade, buscando a ajuda do Espírito Santo, aprendendo o contexto e consultando especialistas na Bíblia?