Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Teologia do Livro de Habacuque

O profeta Habacuque enfrentou a violência e a injustiça do rei Jeoaquim (609-597 a.C ver Jer 22:13-18), bem como o ataque cruel de Babilônia. Curiosamente o livro que leva seu nome começa com uma descrição estendida da vinda dos caldeus. Isto tem um efeito perturbador sobre Habacuque (1:6-11), levando-o a focar os problemas em torno dele ainda mais. O livro termina com uma revelação da incrível vinda de Deus (3:3-15). Isso faz com que Habacuque se concentrar em Deus, o que resulta em paz alegre (3:17-19).

O livro começa com um lamento perguntando “porquê” e “quanto tempo”, mas termina com um cântico de vitória. O triunfo da fé na vida de Habacuque mostra que a nossa maior luta não vêm em nosso relacionamento com outras pessoas, mas em nosso relacionamento com Deus.

§ 1 Teologia

As obras de Deus são incompreensíveis, estupefaciente, e às vezes terríveis (1:5, 3:2, 16). Ele tem o controle soberano sobre a história humana. O aparentemente invencível exército caldeu torna-se totalmente subserviente ao Seu desejo (1:6). Seus decretos parecem lento, mas eles são infalíveis e cheios de certeza (2:3). Ele é entronizado no seu santo templo e toda a terra deve manter silêncio diante dEle (2:20).

Deus é eterno e imortal (1:12). Ele é santo e incapaz de ver o mal (1:13). Sua sua glória se estende por todas as forças da natureza. O sol e a lua são oprimidos por Seu brilhantismo (3:3, 11). Todos os fenômenos terríveis da tempestade participam de Sua vinda, mas ele é separado de tudo isso. Toda a natureza é uma criação passiva que deve fazer o Sua vontade. Ele é exaltado no seu templo (2:20), mas Ele é um Deus pessoal que pode ser chamado de “meu Deus” (1:12). Ele possui estabilidade imutável tal que pode ser chamado de “Rocha” (1:12).

Deus não é afetado pela idade. Ele pode atuar hoje com o poder como sempre fez. Habacuque encontra em cima de sua torre de vigia uma teologia suficiente, mesmo para uma nação confrontada com o seu desaparecimento. O salmo no capítulo 3 reflete os pensamentos de Habacuque sobre os atos salvadores de Deus do passado (v. 2). Talvez ele regularmente tenha ouvido os cantos sobre os atos redentores de Deus em Moisés (Dt 33:2-5, 26-29), por Débora e Baraque (Juízes 5), e por David (Salmo 18). Seu salmo é quase de citações diretas deles (cf. Salmo 18:33; com Hab 3:19).

A diferença mais marcante é que as antigas tradições do profeta baseia-se regularmente na força retratar da vinda do Guerreiro Divino no tempo perfeito do verbo hebraico, denotando ação concluída. Habacuque, no entanto, consistentemente usa o pretérito imperfeito para enfatizar a ação progressiva, mostrando claramente que Ele vê esses eventos acontecendo diante de seus olhos em uma visão de fé. Habacuque vê o Deus que vem, não para derrotar o deus do mar como na mitologia cananéia, mas em nome de seu povo oprimido e disperso. Através dos olhos da fé pode ver Habacuque o incrível poder de Deus que foi desatado em seus dias contra as nações arrogantes que destruiriam os escolhidos de Deus (3:13, 16).

Todas as forças da morte e destruição estão sob o comando de Deus. Todos os tipos de armas invencíveis estão à sua disposição. Carros não pertencem ao faraó, mas a Deus. Seu lanças brilhante e suas espadas deslumbrantes assustam até mesmo o sol e a lua, em silêncio atordoado (3:11). Ele atropela o mar em sua fúria antiga (3:8, 15). Os objetos mais permanentes e imóveis são sacudidos violentamente na sua vinda (3:6, 10). A geografia em si é radicalmente alterada diante dEle (3:9). Os espectadores ao longo do percurso de sua marcha estão abalados (3:7). O palácio de Baal se desintegra em pó quando o Senhor, o Guerreiro Divino, passa em seu caminho para a batalha em outro lugar.

§ 2 Antropologia

As pessoas tendem a ser violentas, impulsivas, destrutivas e injustas. A natureza humana é tal que se a justiça é tardia, eles são rápidos a fazer o mal. Os seres humanos são propensos a recolher o que não pertence a eles com ganância insaciável (1:5-6, 9; 2:5-8). Eles adoram poder, ou o que eles consideram ser necessário para um estilo de vida elegante (1:11, 16).

Mas enquanto as pessoas possam ser ferozes, eles também são frágeis, dependentes e propensas a auto-destruição (1:14-15). Eles podem ser tão indefeso como um peixe capturado em uma rede (1:14). Eles podem ser tão erráticos como criaturas rastejando sobre a terra. Apenas um ato direto de Deus pode nos salvar de nós mesmos. A verdadeira vida não é para ser encontrado em uma atitude arrogante e auto-confiante, mas pela fé em Deus (2:4).

§ 3 Soteriologia

Habacuque procura febrilmente respostas teóricas, mas ao invés disso, a ele é dada uma forma prática de se relacionar com sua vida. Ele é desafiado para uma vida de fé que vai levá-lo ao longo do período entre profecia e cumprimento: “O justo viverá pela sua fé” (2:4). A fidelidade é um sentimento interno de dependência total, uma atitude interior, bem como a conduta que produz, ao invés de um comportamento exterior. Aqueles de fé vão olhar para trás para os atos salvadores de Deus e serão capazes de enfrentar o futuro desconhecido sem medo. Fé de Habacuque é tão vívida que através dos olhos de sua alma ele já pode ver a salvação de Deus.

Fé de Habacuque vem pelo ouvir a palavra. Ele enche seu coração com as palavras de Deus. Tornam-se tão real para ele que ele é capaz de falar abertamente delas, para adicionar o seu próprio testamento à fé como uma das maiores afirmações de confiança em toda a Bíblia. Ele sente que em sua vida, ele pode ver privações e fome, mas também sua fé, baseada nas tradições recebidas, permanece viva em seu coração no presente, o que lhe dá alegria (3:18). Sua fé proporciona alívio e êxtase. Ele é tão livre quanto um cervo nas montanhas (3:17-19). A pessoa que vive pela fé é contrastada com a pessoa arrogante, soberbar cuja alma não é correta com Deus. O escritor do livro de Hebreus segue a Septuaginta, que verte a primeira parte do verso como “se ele recuar, não estarei satisfeito com ele” (Hb 10:38), e depois continua a dizer que “nós não somos daqueles que recuam e são destruídos, mas dos que creem e são salvos”.

§ 4 Ética

A ganância insaciável leva apenas à frustração (2:5). Tais pessoas se tornam vítimas de picantes provérbios (2:6). A propriedade pessoal é inviolável aos olhos de Deus (1:6). Aqueles que vivem apenas para as coisas e tentam escravizar ou usar o seu próximo em seu benefício vão ter o mesmo destino (2:6-7). Deus é especialmente sensível ao sofrimento dos mais fracos e indefesos, pronunciando um ai sobre aqueles que se aproveitam deles (2:10-12). O edifício não é errado em si, mas fazê-lo à custa dos outros faz mesmo as vigas gritar (2:11-12). Deus está igualmente preocupado com a exploração dos recursos naturais, como cedros do Líbano usados ​​no programa de construção de Nabucodonosor e os animais que ele implacavelmente caçava (2:17).

Pessoas que estão arrogantemente tentar estabelecer seu ninho nos céus à custa dos outros estão realmente pecando contra si mesmo (2:9-10). Não está claro se a desgraça pronunciada contra a bebida é literal ou figurada, mas o cálice acabará por passar de volta para o primeiro que ofereceu (2:15-16). A idolatria carrega seu próprio julgamento, deixando o adorador sem esperança (2:18-19). Os problemas diversos pronunciados por Deus indicam que ele vê tudo, certamente mais do que o profeta vê. Em seu próprio tempo bom Ele vai agir. Mas Ele não será impulsionado pelas emoções, não vai agir até que a plenitude dos tempos venham.

§ 5 Escatologia

Haverá um dia em que a Terra estará cheia do conhecimento da glória de Deus como as águas cobrem o mar (2:14). Este é o objetivo final de toda obra de Deus. A história não é cíclica, a repetição interminável de uma coisa ruim depois da outra. É linear, movendo em direção à meta do reino de Deus. O profeta sabe que não há poder no mundo da natureza ou de qualquer governante humano que possa subverter o plano de Deus para o mundo. Deus ainda está trabalhando na arena da história humana. Ele ainda não abandonou o profética para o apocalípse. Precisamos do senso vivo da fé de Habacuque. O que está acontecendo em nosso mundo é a obra de Deus, embora nem sempre entendamos essa obra.

Paul Ferguson