Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Teologia do livro de Provérbios

A teologia do livro de Provérbios consiste em cinco aspectos: (1) Deus tem imutavelmente estruturado tanto do cosmos e da sociedade; (2) Deus revelou a estrutura social através deste livro, (3) a estrutura social consiste em uma ação conexões que une e destino; (4 ) a adesão a estrutura ordenada do Senhor é uma questão do coração, e (5) as palavras são poderosamente eficaz na formação dos corações jovens.

§ 1 Uma Sociedade Estruturada.

A mulher sabedoria, uma personificação dos ensinamentos de Salomão, estava presente quando o Senhor criou o mundo com os seus vastos mares, a sua altos céus, e sua boa terra (8:22-26), e celebrou diariamente a maneira pela qual ele fixava os limites dessas entidades vastamente cósmicas, permitindo que a humanidade vivesse dentro deles (vv. 27-31). Ela encantou-se quando ele partiu o mar, estabelecendo seu limite (v. 29). A celebração da sabedoria na ordem beneficente do Senhor sobre o cósmico pelo qual ele conteve o caos no tempo primordial corresponde ao seu papel na eliminação de ordem social, restringindo o mal dentro do tempo histórico. Por seguir estes ensinamentos relativos, entre outras coisas, para a aquisição de riqueza duradoura (10:2-5), realizando atos de justiça de caridade para com os necessitados (vv. 6-7), e falando para formar relacionamentos amorosos (vv. 10 -14), os fiéis esculpem para si um reino eterno (8:15-21). O sábio vive em segurança dentro dos limites desses ensinamentos, mas os insensatos, que sem disciplina desenfreadamente desejam avidamente o que está fora desses limites prescritos (10:3 b), morrem por transgressão da ordem do SENHOR (4:10-19).

Estas estruturas sociais não existem de forma autônoma, independente do Senhor, que os ordenou. Pelo contrário, o Senhor sustém a eles: “Ele tem a vitória em reserva para os retos, ele é um escudo para aqueles cuja caminhada é irrepreensível, para aquele que guarda o curso do justo e protege o caminho de seus fiéis” (2:8 - 9;. cf 3:26; 5:21-23; 16:1-5). Os provérbios são verdadeiros somente se Deus sustentá-los. A fé não está nos provérbios em si, mas no Senhor que está por trás deles (3:5; 22:19). De fato, os ensinamentos deste livro são equiparados a conhecer o próprio Deus: “Meu filho, se você aceitar as minhas palavras... então você vai encontrar... o conhecimento de Deus” (2:1, 5).

§ 2 A Estrutura Revelada.

Salomão explica por que aceitar seus ensinamentos relativos a estruturas sociais fixas é equivalente ao conhecimento de Deus: “Porque o Senhor dá a sabedoria, e de sua boca procedem o conhecimento e o entendimento” (2:6). A boca de Salomão tornou-se boca de Deus.

Deus falou de várias maneiras em tempos passados ​​aos pais (Hb 1:1). Ao contrário de Moisés, que falou com Deus face a face, e os profetas, a quem deu visões e sonhos (Nm 12:6-8), o Senhor “falou” a Salomão e outros sábios inspirados, como Agur (Pv 30:1) e o Rei Lemuel (31:1) através de suas observações da criação e da humanidade. O laboratório do sábio é o mundo. “Passei pelo campo do preguiçoso”, escreve ele, “[onde] espinhos tinham vindo em todos os lugares ... e na parede de pedra estava em ruínas. Apliquei o meu coração para que eu observasse” (24:30-32). Ao que ele escreve de seu provérbio: “Um pouco de sono, um sono pouco... e pobreza há de vir sobre vós como um bandido” (vv. 33-34). Em outras palavras, o sábio inspirado observa que, dentro da criação caída há um princípio de entropia que destrói a vida, mas com disciplina pode-se superar o caos ameaçador. É claro, o sábio é um mestre moral, não um cientista natural. Sua retirada da ordem cósmica para instruir os fiéis na disciplina pode superar o caos social.

A teologia do livro não é uma teologia natural. A mulher sabdoria não é a ordem cósmica por si só, como muitos afirmam. Em vez disso, Salomão fala como o rei de Israel (1:1), e como tal tem-se sido cuidadosamente educado na Lei Mosaica. Neste livro Solomão consistentemente usa o nome de Deus, “Yahweh”, que significa sua relação de aliança com Israel (Êxodo 3:13-15; 6:2-8). Através da lente da aliança mosaica, o rei inspirado cunha seus provérbios (Pv 29:18). Embora o sábio não fale com o trovão profético do céu, “assim diz o Senhor”, ele fala com autoridade divina, usando o mesmo vocabulário que Moisés usou para sua revelação: torah, “lei/ensino”, e mitzvah, “mandamento” (3:1).

§ 3 A Conduta Consequente.

A estrutura social ordenada e sustentada por Deus revelada neste livro implica uma ligação inseparável entre atos e destino. Esta conexão é representada pela metáfora “o caminho”, que ocorre cerca de 75 vezes em todo o Livro dos Provérbios e trinta vezes nos capítulos 1-9, uma coleção de admoestações para abraçar o ensino do livro e a chave hermenêutica para o livro. A metáfora denota uma estrada transitável, ou o movimento em uma estrada, levando a um destino e conota ao mesmo tempo o “curso da vida” (i.e, o caráter e contexto de vida), “conduta de vida” (i.e, específicas escolhas e comportamento), e “consequências dessa conduta” (isto é, o destino inevitável de tal estilo de vida). Os sábios estão no caminho da vida (2:20-21); tolos estão a caminho de morte (1:15-19). Considerando que o cristianismo pensa nisso como uma “fé”, o Livro dos Provérbios, como a maioria da Bíblia, pensa dos fiéis como seguindo um caminho, uma halakah, um caminho de vida.

A vida neste livro refere-se à vida abundante em comunhão com o Deus vivo e eterno. De acordo com Gênesis 2:17, a ruptura do relacionamento adequado com Aquele que é a fonte da vida significa morte. A sabedoria é a preocupação de estabelecer e manter esse relacionamento adequado e assim a vida (veja 2:5-8). A perícope primeira (1:8-19) assume que o ímpio pode enviar sangue inocente a uma morte prematura, mesmo que prematuramente, como no caso de Cain que matou Abel, o justo (Gen 4:1-9). A promessa de vida neste livro (2:19; 3:2), como na Bíblia como um todo, deve implicar uma realidade que transcende a existência clínica e sobrevive a morte clínica. Se não, o assassinato de Abel, em Gênesis 4, do sangue inocente em Provérbios 1:8-19, e do Filho de Deus, desconstruiria tanto a Bíblia como o livro como os ímpios teriam triunfado sobre os justos.

Salomão compara seus ensinamentos a uma árvore da vida (3:18). A literatura religiosa do antigo Oriente Próximo, especialmente o Egito, e 2-3 Gênesis sugerem que a árvore da vida simboliza a vida eterna, no sentido pleno do termo. O tolo seduzido em Provérbios 5 sofre depois que seu corpo é gasto e depois que ele desperdiçou a sua vida (vv. 7-14). Sem especificar como, o texto hebraico recebeu as promessas da “imortalidade” ao justo (12:28) e um refúgio seguro, mesmo em morte clínica (14:32). No entanto, ao contrário de literatura apocalíptica, que desenha uma nítida distinção entre este mundo e o vindouro, a Literatura Sapiencial diz respeito a vida como tanto esta como a ainda por vir. O sábio enfatiza a importância de abraçar a vida agora.

§ 4 Foco no Fim.

“O justo pode cair sete vezes, ele se erguerá novamente, mas os ímpios são derrubados pela calamidade” (24:16). Jó e Eclesiastes, em contraste, focam na realidade atual, “sob o filho”, quando os justos parecem “nocauteados”. Até mesmo Provérbios 24:16 quase descarta a queda dos justos em uma cláusula concessivo, outros provérbios também, ao mesmo tempo que afirmam a ordem moral, também afirmam ou sugerem que os justos sofrem, enquanto os maus prosperam. Ele qualifica a consequência da conduta, pelos provérbios com o tema “melhor do que” (por exemplo, 15:16-17; 16:16, 19; 17:1; 19:22; 21:03, 22:1; 28:6). Estes pobreza ligação provérbios com retidão e riqueza com a maldade e assim torná-lo perfeitamente claro que a piedade e a moralidade não levam imediatamente a um fim feliz.

Devido à natureza epigramática dos provérbios, cada um expressa uma verdade com a maior concentração no seu assunto. Para obter a plena verdade, no entanto, é preciso lê-los como uma coleção. Por exemplo, após as promessas maravilhosas em 3:1-10, Solomão acrescenta: “Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor” (vv. 11-12). Prosperidade e adversidade são a mistura sábia e necessária da formação do filho. A explicação de Salomão, “porque o Senhor corrige a quem ama, como o pai ao filho em quem ele se deleita,” mostra que a tutela do pai passa para o Pai celestial. O sábio qualifica as recompensas palpáveis ​da ​sabedoria que são catalogadas em 3:13-20 com a admoestação “não negues o bem daqueles que o merecem” (v. 27), uma advertência que implica boas pessoas podem estar precisando de ajuda. Seus ensinamentos sobre a riqueza em 10:2-5 não são para ser lido isoladamente, mas juntos: o versículo 2 diz respeito à riqueza e ética, versículo 3 a riqueza e religião, e os versículos 4-5 para a riqueza e prudência. Ler desta forma o livro não ensina um Evangelho rico e próspero, mas promete que o Senhor recompensará os Seus servos fiéis.

§ 5 Coração.

A adesão a estrutura social ordenada por Deus (s) é um assunto do coração, o centro emocional-intelectual-moral de uma pessoa (2:2; 4:23). Solomão não entrega os seus ensinamentos de forma fria, as proposições racionais pedindo uma resposta igualmente racional, desapaixonada. Pelo contrário, em uma bela peça de ficção literária, “a sabedoria chamou em voz alta na rua, levanta a sua voz nas praças públicas” (1:20). “Ela levanta a sua voz” que se refere a uma situação fervorosa e emocional. Salomão exorta o filho a “levantar a sua voz” (“invocar”, NVI) à sabedoria (2:3). Quando a sabedoria de Salomão é aceita com todo o coração, então a sabedoria que estava no coração de Deus entra no coração do crente: “Pois a sabedoria”, que se originou na boca de Deus (v. 6), agora “entrará em seu coração, e o conhecimento [de Deus e de Seus ensinamentos] será agradável à tua alma”. (v. 10).

A sabedoria promete vida daqueles que a amam (8:17, 21) e pede aos seus amantes para vigiar diariamente às suas portas como uma noiva (v. 34). Para ter esta noiva, é preciso estar disposto a vender todos como dote (4:7). Ela deve ser realizada em respeito e reverência: o temor do Senhor é o primeiro princípio da sabedoria (1:7; 9:10). Pelo contrário, simplórios malformados, que passam para a idade adulta sem ter feito um compromisso com a sabedoria, o amor a sua liberdade; odiarão os insensatos o conhecimento, e os escarnecedores cobiçarão a capacidade de simulação (1:22). A escolha ou rejeição dos ensinamentos de Salomão é afetiva, não apenas cognitiva. O simplório formativo, a quem o livro é dirigido (1:4), precisa tomar uma decisão para a prudência ética e religiosa antes de entrar na cidade e se engajar em seu comércio e política (8:3). Tal decisão também é necessário para prepará-los para resistir aos homens maus e mulheres dentro dela.

§ 6 O Poder das Palavras.

Salomão ordenou que este livro para que os pais da aliança pudessem ensiná-la dentro de casa, o lugar da educação no antigo Israel. É dirigido à criança que estiver dentro da aliança para entrar na maturidade. A costura entre as gerações é mais vulnerável para pessoas de fora neste momento quando o orgulho e paixão correm na maré cheia. As vozes de ambos os pais (1:8; 31:26) competem com as vozes de homens apóstatas e mulheres infiéis. Os pais são armados por Salomão com toda sua habilidade retórica na conversa para combater os homens que lançam a tentação do dinheiro fácil, oferecidos por homens apóstatas (1:10-19; 2:12-15), e ao sexo fácil, oferecido por mulheres infiéis (2:16-19; 5:1-23; 6:20-35; 7:1-27; 9:13-18).

A menção da mãe como uma professora é único dentro de Literatura Sapiencial no antigo Oriente Próximo. No Antigo Testamento, ambos os pais são colocados em pé de igualdade diante da criança (Lv 19:3). Para a “linstrução fiel” estar na língua da mãe, ela própria deve primeiro ter sido ensinada. Embora o livro seja dirigido a “filhos” que iria assumir a responsabilidade pela casa, as filhas não são excluídas.

Salomão assume todo o poder da fala: na verdade, ela tem o poder de vida e morte (18:21). Embora as crianças sejam responsáveis ​​por suas próprias decisões (Ezequiel 18:20), a formação parental terá seu efeito (Prov 22:6,15). As crianças que fazem-no na classificação dos sábios traz a alegria aos pais, mas aqueles que não conseguem abraçar a sabedoria herdada trazem apenas a dor (10:1).

Bruce K. Waltke