Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Teologia do Livro de Jonas

Jonas é um livro que examina a questão do porquê a perplexa misericórdia de Deus é, por vezes, dispensada às pessoas que não parecem merecê-la. As nações parecem ser subjugadas. Jonas é um hebreu, e não um israelita (1:9). Ele ignora uma série de perguntas visando saber sua nacionalidade (1:8-9). A origem racial dos marinheiros não é mencionada. Audiência de Jonas é chamada de “os homens de Nínive”, não “assírios”. Não há referência direta no livro para a eleição de Israel ou a sua história da salvação especial.
Também não há qualquer menção dos pecados históricos da máquina militar assíria que era tão bem conhecida no antigo Oriente Próximo. Ao rei de Nínive não é citado por nome, como é o capitão do navio. Identidades ou nacionalidades não são importantes. Em vez disso, o destaque é sobre a relação das pessoas com Deus. O Livro de Jonas não é uma história sobre judeus e gentios, mas sobre como Deus se relaciona ao arrependimento total aqueles que menos esperam recebê-lo.

§ 1 Teologia

Deus está no controle total das forças da natureza, mas não faz parte delas. O mar não é uma pessoa, mas uma parte da criação. Yahweh pode fazê-lo raivoso ou calmo (1:4, 13, 15). Ele pode enviar o vento e provocar uma tempestade (1:4). Ele pode remover as nuvens e fazer o sol permanecer em toda a sua força (4:8). Ele pode usar o vento do deserto feroz para realizar Seu plano (4:8).

Ele pode nomear enormes habitantes das profundezas (2:1) ou comissionar um verme (4:7) para fazer Sua vontade. Se Ele quiser, Ele pode fazer uma planta especial vir acima da terra para cumprir Seu propósito (4:6). Ele também pode controlar as pessoas, mesmo aquelas que não foram previamente conhecidas. Em Jonas 1:15 os marinheiros jogam Jonas no mar, mas em 2:4 a ação é atribuída a Yahweh. Ele é o Deus do céu, mas também Criador do mar e a terra seca (1:9).

O corolário da doutrina da criação é que o desejo primordial do Criador é preservar a vida e não levá-la. Ele tem piedade das massas repletas de pessoas e animais que podem estar em perigo de destruição, porque Ele é o Criador e Sustentador destes (4:10-11). Não há como escapar deste soberano Criador. Não se pode mesmo ir para o mar até os confins da terra onde a Palavra de Deus nunca foi pronunciada (1:4;. Cf Is 66:19). Jonas não pode sequer esconder-se no piso mais baixo do navio (1:5). Aqui o capitão encontra Jonas e inconscientemente repete alguns dos termos da comissão original de Jonas ("Levanta-te, chama" 1:2, 6).

O Senhor soberano controla todas as coisas de forma que os homens no navio identificam Jonas como a fonte da calamidade (1:7-10). Os marinheiros sabem que Deus é soberano e que Ele faz o que quer (1:14). Ele não pode ser resistido até mesmo pelos indivíduos mais teimosos. Sua vontade não pode ser anulada pela força de vontade mais intensa (1:5, 13). Ele não pode ser manipulado em ação por encantamento ou ritual. Deus é “misericordioso e compassivo, lento para a ira ... e cheio de amor, um Deus que se arrepende de enviar calamidade” (4:2). Ele não deseja que ninguém pereça, senão que todos venham para a salvação. Em Nínive Deus viu as suas obras e não a nacionalidade (4:10).

O corolário da doutrina da criação é que o desejo primordial do Criador é preservar a vida e não levá-la. Ele tem piedade de das massas repletas de pessoas e animais que podem estar em perigo de destruição, porque Ele é o Criador e Sustentador destes (4:10-11). Não há como escapar deste soberano Criador. Não se pode mesmo ir para o mar até os confins da terra onde a Palavra de Deus nunca foi pronunciada (1:4;. Cf. Is 66:19). Jonas não pode sequer esconder-se no piso mais baixo do navio (1:5). Aqui o capitão encontra Jonas e inconscientemente repete alguns dos termos da comissão original que Jonas recebeu (“Levanta-te, chama” 1:2, 6).

Pessoas religiosas querem usurpar a prerrogativa sagrada de Deus de escolher aqueles que são seus. Jonas acredita que os que adoram ídolos automaticamente perdem a graça salvadora (2:9-10). Ele acredita que, porque ele realiza certos rituais ele é, portanto, digno da salvação. Ele está, naturalmente, sem saber que os marinheiros, aparentemente sob a orientação do Espírito Santo, também ofereceram sacrifícios e fizeram votos (1:16). Parece ser a natureza humana tentar alcançar a salvação pelas obras. Os marinheiros rezam, mas também jogam fora a carga, sortes, e interrogam (1:5-13). Mas, no final, eles aprendem que Deus é soberano e as pessoas devem ser salvas pela simples submissão à Sua vontade (1:15).

§ 2 Ética

Os gentios no livro de Jonas não são reprovados de forma alguma por sua idolatria. O pecado é identificado como má conduta e violência em suas mãos (3:8). De acordo com Isaías 59:6-8 isso pode incluir o derramamento de sangue inocente e vários tipos de injustiça. Quer incluísse os Ninivitas já soubesse disso ou não. À elas são dadas nenhuma instrução pelo profeta sobre a piedade.

A santidade da vida é um tema central do livro. Mesmo que os marinheiros soubessem que deviam jogar Jonas ao mar, eles têm medo de derramar sangue inocente (1:14). Em outras muitas cenas que identificam uma pessoa supostamente ameaçando a vida da comunidade, o juiz, após verificar o que foi feito, procura passar a sentença de morte imediatamente. Mas, em Jonas, se vê esses “juízes” fazendo tudo o que for possível para evitar a execução da pena de morte. No Livro de Jonas não é só tirar a vida de um último recurso, mas todas as medidas possíveis devem ser tomadas para preservar a vida.

Raiva de Jonas e desgosto na salvação da grande cidade (4:1-2) são descritos com o mesmo vocabulário usado para retratar a ira assassina de Caim (Gênesis 4:5-6). Como Caim, Jonas é questionado sobre sua atitude (4:3, 9; Gen 4:6). Como Caim, Jonas sai da presença de Deus (1:3; Gen 4:16). Ambos vão para o leste e constroem algo (4:5; Gen 4:16-17). Jonas fica extremamente feliz ao passo que ele observa para ver o que vai acontecer em Nínive (4:6). No uso da linguagem e estilo em que Caim é retratado o autor claramente rotula a atitude insensível de Jonas sobre a vida humana como assassina.

§ 3 Soteriologia

A salvação é posse exclusiva do Senhor (2:10). Deus é soberano e pode ter misericórdia de quem Ele escolher (Êxodo 33:19; Rom 9:15). Outros profetas foram confrontados com a morte por desviar-se de sua vocação (Nm 22:33; 1 Reis 13:24). Jonas se recusa da comissão inteira, depois repreende Deus (1:3; 4:2-3), e quase desafia a Deus matá-lo. No entanto, ele escapa ileso no final do livro. Deus parece sempre disposto a aceitar o arrependimento sincero, mesmo se se trata de pessoas que tiveram um pronunciamento de morte pronunciada sobre eles (3:4-10). Assim, o livro pode ser pensado como um midrash sobre Jeremias 18:7-10. Estes versos estabelecem a regra geral de que qualquer nação sob a proibição que se arrepende encontrará vida. O Livro de Jonas é um exemplo específico, concreto esta decisão.

No início do livro de Jonas aparece o oposto. Aqui temos um profeta credenciado que era o servo do Senhor. Ele está às portas da morte por sua desobediência. Sua deserção mostra como é fácil tornar-se alienado de Deus. Em Jonas 1:3 cinco ações curtas seguem uns aos outros em sequência rápida. Tudo parece ir muitíssimo bem para conseguir o profeta cumprir sua missão ao chegar na cidade de Tarso. Enquanto a vida ainda permanece, nunca é tarde demais para rezar pela salvação. Como Jonas está no ponto de perder a consciência, ele se lembra, e sua oração leva à sua libertação (2:1, 6, 8). Jonas e os Ninivitas aparecem como paradigmas ilustrando os candidatos menos prováveis ​​para a salvação. Aquele que são verdadeiramente penitentes devem, como o rei de Nínive, remover todos os símbolos da soberania pessoal e abdicar do trono a reconhecer a soberania total de Deus (3:6). Curiosamente, a salvação pela fé não é enfatizada. Em 3:10 Deus vê as obras dos ninivitas que são uma consequência de sua crença em Deus (3:5).

Paul Ferguson