Pesquisar este blog

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Padrões Bíblicos para o Divórcio e Novo Casamento



Entre aqueles que acreditam na Bíblia como nosso padrão de conduta absoluto, a questão do divórcio e novo casamento continua sendo um problema particularmente inquietante. Interpretações diferentes sobre como entender os ensinos bíblicos têm produzido divisões muito sérias no Corpo do Messias. 

O contexto do ensino de Yeshua sobre divórcio e novo casamento pode ser comparado ao debate entre as duas principais escolas de fariseus: Hillel e Shammai. Hillel era conhecido como mais moderado, embora a escola mais rígida dos Shammai fosse mais dominante no primeiro século. Hillel ensinava que um homem podia se divorciar de sua esposa por qualquer motivo, enquanto Shammai afirmava que apenas o adultério oferecia motivos legítimos para o divórcio. Nesse caso, o ensino de Yeshua foi mais próximo à visão mais rígida dos Shammai (Mateus 19.9).    

As visões entre os cristãos que creem na Bíblia são as seguintes:

  1. Anglicanos Antigos: Não há, de forma alguma, divórcio e novo casamento legítimos, visão defendida por Gorden Wenham, um estudioso da Bíblia amplamente respeitado da geração passada. O novo casamento é proibido enquanto o cônjuge estiver vivo. Portanto, até que um morra, os dois participantes do divórcio devem levar uma vida de celibato. Isso pode parecer extremo, mas seus argumentos são fortes, e representam uma interpretação literal das palavras de Yeshua, "exceto por adultério”.
     
  2. Anglicanos Antigos Modificados: Pode haver razões legítimas para o divórcio de tal forma que a parte inocente possa se casar novamente. O culpado deve permanecer sozinho o resto de sua vida para mostrar arrependimento. Qualquer coisa menos que isso mostra que não houve arrependimento.
     
  3. Protestante Clássico: Há alguns motivos bíblicos para divórcio e novo casamento, a saber: adultério e abandono (1 Coríntios 7). A parte inocente (relativamente falando) pode se casar novamente. O culpado também pode se arrepender e então se casar novamente, mas estará para sempre desqualificado de participar da liderança.  
     
  4. Protestante Moderno: Outros argumentam que a definição de abandono é mais ampla do que simplesmente o abandono físico literal, e inclui violações tais como: (1) recusar o sexo sem um bom motivo (1 Coríntios 7.5), ou (2) fracassar quanto à responsabilidade de trazer provisão (1 Timóteo 5.8), ou (3) violência física (Efésios 5.28-29). Esta visão determina que as palavras de Yeshua devam ser expandidas para incluir quebra de aliança em qualquer nível. Eles normalmente interpretariam as palavras de Yeshua como querendo dizer que qualquer pessoa que se divorcia do cônjuge com o propósito de se casar com outro comete adultério. 
     
  5. Liberais Modernos: Esta visão expande as razões a favor do divórcio para incluir outras possibilidades além de qualquer tipo de quebra de aliança, como: incapacidade de se relacionar bem, dificuldade em resolver os problemas e grandes diferenças quanto ao estilo de vida desejado. Nesses casos, divórcio e novo casamento seriam permitidos.
Nossa visão é que o item 5 não é fiel ao texto bíblico e leva ao aumento do divórcio. Isso deveria ser rejeitado. Nas outras 4 visões, ainda temos que lidar com os processos complexos de arrependimento e restauração após ter havido um caso de adultério, abandono ou divórcio.

Dan Juster (http://reviveisrael.org/pt-br/)