Pesquisar este blog

sábado, 25 de março de 2017

COMBATENDO O ESPÍRITO DO ANTI CRISTO

Todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo. (1 João 4.2-3)

Durante o primeiro século, houve um aumento dos movimentos que negavam a Encarnação (que Yeshua era Deus manifesto em carne humana). Há dois lados dessa negação: um deles é negar a sua divindade e o outro é negar a sua encarnação plena na forma humana. Manter essas doutrinas em seu devido equilíbrio e relacionamento é fundamental para a nossa fé. O Movimento Messiânico foi lançado com base nos poderosos sinais e maravilhas presentes no ministério de Yeshua, sua morte e ressurreição e, finalmente, nos incríveis sinais e maravilhas no ministério dos Apóstolos dentro e fora de Israel. Aqueles que testemunharam tamanha evidência tornaram-se indesculpáveis por sua rejeição ao Senhorio de Yeshua e à mensagem do Evangelho. 

Resultados da Rejeição 

Quando o Evangelho vem com poder e o Espírito Santo traz convicção, mas ainda assim é rejeitado, ocorre então o pecado da blasfêmia contra o Espírito Santo. Esse pecado pode levar ao controle demoníaco. O espírito do Anticristo não é encontrado nas pessoas que não tiveram oportunidade de testemunhar as evidências do Evangelho e, assim, decidir se vão aceitar ou recusá-lo. Somente esse tipo de rejeição dá direito e poder ao espírito do Anticristo. Indivíduos e pessoas que tiveram a oportunidade de abraçar Yeshua e o recusaram são entregues à doutrina de demônios e à promoção dessas doutrinas.

Embora não seja "politicamente correto", devemos observar que a rejeição do Evangelho pela maioria do povo judeu e da liderança judaica no primeiro século os deixou suscetíveis ao espírito do Anticristo. O Islã, que explicitamente nega a encarnação e declara que Yeshua nunca morreu na cruz, embora admita que ele tenha sido um profeta, escraviza os seus seguidores ao espírito do Anticristo. Esse espírito do Anticristo sempre procura perseguir o Corpo do Messias.

Quando um povo se torna cativo a esse espírito, eles ainda podem ter conhecimento de grande parte da verdade, e ainda podem produzir tesouros culturais. Contudo, a salvação exige que haja libertação do espírito do Anticristo. Ao lidar com nosso próprio povo, apesar de estar distante da rejeição coletiva do primeiro século, devemos dar atenção à necessidade de vê-los livres dessa influência. 

Chave para o Futuro 

De maneira ainda mais clara, no Islã temos o poder do Anticristo num nível mundial que está fundamentado no que Maomé fez com a revelação da Nova Aliança. É por isso que a chave para o futuro nesta situação difícil é ver um avivamento e o poder do Evangelho libertar as pessoas desse espírito. A única maneira de ver a paz chegar é através da aceitação e submissão ao Príncipe da Paz.

Daniel Juster