Pesquisar este blog

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O LAR CRISTÃO: COMUNICAR, BRIGAR e PERDOAR

Por: Prof. Adaylton de Almeida Conceição

A COMUNICAÇÃO NO LAR

Definição: Comunicação é o processo verbal ou não verbal de compartilhar informação com outra pessoa de forma que ela entenda o que estás dizendo.
Existem pelo menos seis maneiras de interpretação ao comunicarmos com outra pessoa:

1. O que queres dizer;
2. O que realmente dizes;
3. O que a outra pessoa ouve;
4. O que a outra pessoa pensa que ouve;
5. O que a outra pessoa responde mediante ao que comunicaste;
6. O que pensa que a outra pessoa responde.

Porque não comunicamos?

1. Existem pessoas que não tem a habilidade de conversar com outras. Elas nunca aprenderam a compartilhar abertamente com outra pessoa e também sentem dificuldades em usar as palavras corretamente.

2. Existem pessoas que tem medo de se abrir em relação ao que pensam e sentem. Elas não querem correr o risco de que a ofendam, se alguém não concordar com elas.

3. Existem pessoas que tomam atitudes que falar não soluciona, para que comunicar?

4. Existem pessoas que crêem não ter nada para oferecer. Pensam que suas idéias não têm valor. Tem uma auto-imagem muito baixa e como resultado, evitam fazer comentários ou expressar sentimentos pessoais.

Problemas da comunicação

1. Eliminação mútua.
Um exemplo desse problema é um casal. Ambos recusam expressar seus sentimentos.

2. Comunicação unilateral.
Os casais estão comunicando-se, derrepentemente, um para de comunicar-se. Enquanto ele (a) faz isto, o companheiro exige a comunicação.

3. Comunicação intelectual.
Neste tipo de comunicação a linguagem usada protege a pessoa contra a revelar seus sentimentos.

4. Comunicação indireta.
Um ou ambos comunicam-se através de terceiros, ou amigo, ou parente, ou através dos filhos.

5. Silêncio de um ao outro.
Esta falta de comunicação tem o propósito de frustrar o outro. A pessoa usa o silêncio como forma de controlar o outro.

6. Comunicação limitada a brigas e momentos de irritação.
Neste momento existe comunicação onde um se abre e fala o que está sentindo ou pensando, mas a forma como comunicou a maioria das vezes não é aceita pelo outro.

A BRIGA

Provérbios 20.3: “Honroso é para o homem o desviar-se de questões, mas todo tolo se entremete nelas.”

Necessitam-se dos dois para a briga. Uma só pessoa não pode brigar. Sem um dos dois cônjuges não responde a briga, não pode haver contenda. Quando as discussões começam a aparecer na relação, um dos cônjuges tem que assumir uma atitude de oposição ativa contra as brigas. Isso não significa uma humilhação passiva ou um silêncio desafiante. A briga cresce quando os dois participam. O segredo para parar a briga está em parar no mesmo instante que começa.
É mais importante evitar o conflito que parecer justificado (Mateus 23.12). Lembrem, seu cônjuge não é o inimigo. Satanás é o inimigo (Efésios 6.12). Sentem amor, paz e harmonia quando seu cônjuge contém (Romanos 12.21; Filipenses 2.3; Gálatas 5.14,15).

O PERDÃO

Perdoar significa outorgar perdão gratuito para, a remissão de uma ofensa ou dívida; renunciar toda reclamação. Jesus nos mandou perdoarmos uns aos outros da mesma forma que queremos que Deus nos perdoe (Mateus 6.14,15). Veja em Mateus 18.23-35. Devemos ter misericórdia
O não perdoar impede as promessas de Deus. Segundo Mateus 5.23,24 e Marcos 11.25, nem sequer podemos viver diante do nosso Senhor em retidão se existe algo que não se tem perdoado entre nosso irmão e nós. É evidente que entre os esposos a prática do perdão seja examinado cuidadosamente.
É muito importante saber que não é necessário que o ofensor se arrependa antes que perdoemos. É o ato mesmo de perdoar que leva o ofensor ao arrependimento (Romanos 2.4; Lucas 23.34; Atos 7.60).
Lembrem, o perdoar é um ato da vontade. Não é um sentimento. Quando colocamos nossa vontade em harmonia com a vontade de Deus, seguimos a direção de seu espírito (Salmos 103.2,3) e decidimos perdoar, a seu devido tempo virão os sentimentos. Nossos sentimentos de dor e ira são superados pelo grande amor de Deus fazia os ofensores.
Necessitamos examinar nosso próprio coração, não é o de nosso cônjuge. Jesus nos disse em Lucas 7.47 que onde se tem perdoado muito, existe muito amor.
Por meio poder de Deus não há obstáculo para o perdão. Se dissermos “não posso perdoar”, realmente estamos dizendo: “Não quero perdoar”, quando induzimos a falta de perdão em nosso coração, começamos a sentir uma separação de Deus. Nosso próprio perdão está obstruído de acordo com Mateus 6.12. Com muita freqüência, quando não prosperamos tendemos a culpar ao que nos nega a perdoar. Por exemplo: “É culpa dela que nossas finanças estão em tão péssimas condições”.
Muito antes que podemos começar a perdoar a outros, temos que perdoarmos a nós mesmos. Habitualmente somos muito mais duros conosco, estamos movendo-nos em orgulho e colocamo-nos em uma posição mais alta que a do Senhor. (Mateus 22.39), nos manda amar a nosso próximo com a nós mesmo.

O QUE É O PERDÃO?

a. Perdão não é esquecer. Lembrar a ofensa ou ferida de forma que ela continue afetando a relação emocional, não é perdoar. Mas, recordar a ofensa como um fato que passou, sem que isso traga um efeito emocional na relação, é perdoar.

b. Perdão não é um sentimento. É algo pensado, decidido. É uma decisão da vontade.

c. Perdão não é fingir. Não se pode ignorar o que aconteceu. O que ocorreu é passado. Sua recusa em não querer enfrentar o problema e procurar a reconciliação pode incentivar a outra pessoa a continuar repetindo a mesma atitude.

d. Perdão não é voltar ao passado. É fácil trazer de volta as ofensas do passado. Existem pessoas que guardam sua lista tenebrosa de ofensas recebida, e em determinadas ocasiões, correm a buscar sua lista tenebrosa.

e. Perdoar é raro porque é muito difícil.

1. O perdão de Deus custou seu único filho.

2. Seu perdão custará seu orgulho.

3. É não exigir seus direitos.

4. Você deixa de defender-se.

5. Você deixa de vingar-se .

6. Você deixa a outra pessoa livre, sem pagar.

f. Perdoar não é exigir mudanças por parte da outra pessoa antes de perdoar.

g. Perdoar é entregar-se.

h. Perdoar é substituir. (1 Coríntios 5.21; 1 Pedro 3.18; 2.21-25; Colossenses 3.13; Efésios 4.32).






Pr. Adaylton de Almeida Conceição
Psicanalista-Sexólogo