Pesquisar este blog

sábado, 20 de agosto de 2011

SEITAS E HERESIAS

DEUS NÃO NOS FÊZ ROBOZINHOS...

De Randall Watters novembro de 2003.
Elaborado  e adaptado por: Pr. Benedito “Bene” Ribeiro

Como tudo se inicia...
Em primeiro lugar faremos uma caracterização em seu todo (adeptos), ou melhor deverá ser traçado um plano, com objetivos e estratégias para formar o grupo. E quais serão estas estratégias? Simples, muito simples..!!!!!! Acompanhe abaixo:

RECRUTAMENTO - PROGRAMAÇÃO - RETENÇÃO - RESULTADOS

Primeiro passo: Recrutamento - “recrutar” novos adeptos, A prioridade é a “abordagem”
Segundo passo: Programação - administrar a vida cotidiana dos seus novos adeptos.
Terceiro passo: Retenção - reter seus adeptos.
Quarto passo: As implicações destas estratégicas na vida de seus adeptos.


1- RECRUTAMENTO - (engano - chantagem emocional - exploração de crises emocionais - invenções de crises - respostas)

Engano: O que recruta chamaremos de líder. De início não se revela antecipadamente quais são os seus verdadeiros objetivos ao grupo que estará formando. Os líderes passam para o grupo já formado, para que eles não venham a revelar e nem passar informações destes encontros, para as pessoas de “fora” (que não pertencem ao grupo, pessoas curiosas...), a respeito deles.

Chantagem emocional: Os líderes destas seitas, são amistosos, mostram-se sinceros e amigos, são muito atenciosos com os seus recrutados, falam mansamente, mas não aceitam uma resposta negativa quando de suas investidas, levando as pessoas a se sentirem culpadas ou ingratas pela rejeição de suas pregações.

Exploração de crises emocionais: Em situações de crise por parte de seus recrutados, tais como morte na família, desemprego, enfermidade, solidão... aproveitam desta situação para um exploração emocional.

Invenção de crises: Alegam que o mundo lá fora está contencioso e que os crentes de outras religiões são egoístas e sombrios e que o mundo logo será ceifado pelo inimigo, mas eles sim estão no caminho certo, pois juntos farão a diferença, e os que fazem parte do grupo são especiais para DEUS, serão curados e salvos.

Respostas: O grupo tem respostas para tudo e para todos, respostas simplistas e objetivas para todos os questionamento sobre a vida.

2 - PROGRAMAÇÃO - (estudo intenso e extensivo - culpa e medo - controle da rotina - fadiga - ataque a qualquer tipo de pensamento independente - obediência irrestrita)

Estudos intensivos e extensivos: O grupo tem uma doutrina formada. Existem regras a serem seguidas. A Bíblia, quando usada, é citada de forma seletiva e sempre fora do contexto. Raras são as vezes que observam o seu conteúdo. Não há “aquela” necessidade de tanto manuseio. Levar Bíblias nas reuniões "é muito incômodo no transporte".

Culpa e medo: Os grupos enfatizam a natureza pecaminosa do individuo e a necessidade de purificar a velha natureza (personalidade).

Controle da rotina, fadiga: Estudo e trabalho são obrigatórios para o grupo, roubando-lhe quase todo o tempo do membro, deixando-o muito ocupado para refletir ou ouvir opinião dos outros de fora do grupo, como a família, os amigos. Os passatempos são colocadas de lado, ficando completamente isolados.

Ataque a qualquer tipo de pensamento independente: São encorajados a uma aceitação cega onde não há argumentação (todos tem deveres, mas direitos para que? Se o importante é servir...). Todo pensamento crítico é desencorajado e interpretado como orgulho e pecado.

Comissão divina: O líder geralmente afirma que ele, e só por meio dele, vem as revelações de Deus. Afirma ser o único porta-voz de Deus para a humanidade, e o grupo sem nenhuma estrutura bíblica o segue às cegas.

Obediência irrestrita: Todas as pessoas que não participam ou não são freqüentes nas reuniões, são consideradas fracas e enganadas, pois todas as questões têm respostas simples, bastando o novo “adepto” optar pela obediência à seu líder, sendo por ele aconselhado, pois nele está a verdade.

3 - RETENÇÃO - (questionamento de motivos - controle de informação - isolamento e alienação - repressão - fobias - empenho)

Questionamento de motivos: Quando são questionados ou apresentadas evidências concretas (sólidas) contra o grupo, os membros são ensinados a questionar os motivos da pessoa que apresenta a evidência, com o objetivo de desqualificá-la como questionadora idônea. Então aquilo que poderia ser verificado é ignorado em função de uma reação de defesa programada.

Controle de informação: O grupo começa a controlar aquilo que o membro pode ver ou ouvir. O contato com ex-membros é expressamente proibido e devem ignorar qualquer pessoa que se oponha ou critique a ação do grupo, caso contrário podem se contaminar e se desestruturar à caminho da perdição.

Isolamento e alienação: A família e os amigos são ignorados e devem ser substituídos, porque você faz parte do grupo e quem está no grupo não precisa de ninguém que esteja fora do próprio grupo (isolam -se  por completo de todos, principalmente da família). Geralmente o “novo adepto” começa a receber instruções referentes a uma nova rotina de como se alimentar direito. Fazem restrições e proibições de certos alimentos, proibição de relacionamento com o sexo oposto (namoro, noivado e casamento). Se for casado deve ir evitando gradualmente contato sexual  com a sua esposa ou até mesmo, com o passar do tempo, o abandono do lar, a desistência de estudar e é incentivado e dirigido para permanecer mais tempo com o grupo, em fraternidade.

Repressão: Se o adepto reclamar, desobedecer ou até mesmo discordar da doutrina aplicada pelo grupo ou pelo líder, estará sujeito à veementes repreensões, e como resultado, é banido do grupo.

Fobias: Com o tempo vai surgindo o medo de tudo e de todos. A pessoa fica insegura e a tendência é aumentar esse medo. Não conseguem se associar mais com as pessoas. Tem um medo crescente de serem condenados e entregues a ação do diabo e do mal se deixarem ou se desviarem do grupo e das doutrinas. Não existe nenhuma maneira, ou qualquer alternativa honrosa de saírem do grupo por vontade própria.

Empenho: Por mais que o adepto trabalhe ou se esforce, nunca será o suficiente ser membro e dar de si. Trabalhar para o grupo é essencial para a sua salvação. (escravidão)

4 - RESULTADOS - (dependência - desordens pessoais - capacidade diminuída - exploração)

Dependência: O adepto fica com uma dependência infantil do grupo. Sem o grupo ele é um incapaz e um ingênuo.

Desordens pessoais: São acometidos de desânimo, depressão, desorientação, ansiedade, estresse, comportamento neurótico ou psicotico, e até mesmo tendências suicidas. (A mídia já relatou muitos destes casos, solitários ou até mesmo em grupos)

Capacidade diminuta: Os adeptos perdem por completo sua capacidade de raciocínio e de agir. Contradições lógicas nas doutrinas, tem pouco ou nenhum efeito para elas.

Exploração: Os adeptos são completamente explorados, financeiramente, psiquicamente, materialmente e ou mentalmente (são induzidos e manipulados a darem tudo que possuem ao grupo, abandonar escolas e até empregos para se dedicarem ao trabalho exclusivo do grupo, vendendo literaturas do grupo. São usados e abusados em questões particulares do grupo ou a que eles interessem. Tudo a custo zero.
Quem é  Randy Watters ?
Randall Watters, ex-Testemunha de Jeová e ex-“ancião de Betel” da Sociedade Torre de Vigia durante vários anos  e teve um encontro com a verdade e se libertou.
eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência, proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que deus criou para os fiéis, e pra os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças”      (1 Tm 4.1-3)
eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee  
Elaborado por Mestre Pr. Benedito “Bene” Ribeiro                                                            
(Bel. Teologia, formado em 1996)
Deus nos abençoe.