Pesquisar este blog

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Eu a atrairei e a levarei para o deserto... e lhe darei, dali, as suas vinhas. (Os 2.14,15)

Que lugar estranho para se acharem vinhas — o deserto! E será que as riquezas de que uma alma precisa podem ser encontradas no deserto, que é um lugar de solidão, e onde, se perdidos, dificilmente achamos a saída? Parece que sim! E não é só isto, mas o "vale de Acor" (que significa amargura) é chamado, no texto, de "Porta de Esperança". E ali ela cantará como nos dias da sua mocidade!

Sim, Deus conhece a nossa necessidade desta experiência no deserto. Ele sabe como e quando trazer para fora aquilo que está dentro de nós. A alma era idólatra, rebelde; esqueceu-se de Deus e disse, voluntariosamente: "Irei atrás de meus amantes." Contudo, ela não os alcançou. E quando já estava desesperada e sozinha, Deus disse: "Eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração." Que Deus cheio de amor é o nosso! — Crumbs

Nós nunca sabemos onde Deus esconde as Suas águas. Vemos uma rocha, e não podemos imaginar que ela abrigue uma fonte. Vemos um lugar pedregoso, e não sabemos que esconde um manancial. Deus me guia a lugares difíceis, e depois eu descubro que entrei na habitação das fontes eternas.