Pesquisar este blog

quinta-feira, 23 de junho de 2011

DEVOCIONAL

Demandai-me acerca... das obras das minhas mãos. (Is 45.11)

Foi nesse tom que o Senhor Jesus falou, quando disse: "Pai... quero"; Josué falou dessa maneira quando, no supremo momento do triunfo, levantou a espada em direção ao sol que se punha e exclamou: "Sol, detém-te"!

Elias demonstrou a mesma ousadia, quando fechou os céus por três anos e seis meses e os abriu novamente.

Também Lutero falou com autoridade quando, ajoelhando ao pé do leito em que jazia Melâncton prestes a morrer, ele proibiu que a morte arrebatasse a presa.

Deus nos convida a entrar num extraordinário relacionamento com Ele. Estamos bem familiarizados com palavras dessa natureza: "As minhas mãos fizeram os céus, e a todos os seus exércitos dei as minhas ordens"; mas, nas palavras do texto acima, em que Deus nos convida a demandar dEle alguma coisa, há uma surpreendente mudança de relacionamento!

Que diferença entre esta atitude e as orações hesitantes, duvidosas, sem fé, a que estamos acostumados e que, pela contínua repetição, perdem a sua eficácia e não alcançam o objetivo.

Quantas vezes, durante a Sua vida terrena, Jesus pôs homens numa posição de requererem dEle alguma coisa! Ao entrar em Jericó, Ele parou e disse aos cegos que mendigavam:
"Que quereis que eu vos faça?" Era como se dissesse: "Eu estou às suas ordens."

Não poderíamos nos esquecer de que Ele pôs na mão da mulher siro-fenícia a chave dos Seus recursos e lhe disse para servir-se deles.

Que mente mortal pode perscrutar o pleno significado da posição a que o nosso Deus amorosamente eleva os Seus pequeninos? Ele parece dizer: "Todos os meus recursos estão às suas ordens." "Tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei!' —F. B. Meyer

"Mananciais no Deserto" de Lettie Cowman
Livro publicado pela Editora Betânia.